De machorras militantes e mal-amadas no mercado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

De machorras militantes e mal-amadas no mercado

Mensagem  Admin em Sab Jun 08, 2013 4:08 am

Qualquer rápida pesquisa na internet sobre a vida e a obra da bruxa wicca Margot Adler e suas parceiras desnuda por completo o suposto “laicismo” das políticas defendidas pelas feministas.

Margot Adler

O feminismo está vivo e ativo como nunca antes. Não só devido a era Lula, em que as menicuccis, lionças, “vadias” e outras lésbicas comunistas interagem em postos do governo federal, marchas, articulações inter-ONG’s para lobbies políticos (o que chamam de “debate com ‘sociedade civil organizada’”) e para captar recursos de fundações globalistas para suas instituições. Além desse feminismo militante que apóia tudo o que não presta, como o aborto, a dissolução da família vide “casamento” gay e o controle da mídia, e que falando por décadas em igualdade fez as mulheres tornarem-se funcionárias da construção civil, por exemplo, há um outro, difuso, sutil, e que adentra até mesmo a cabeça das mais piedosas das mulheres cristãs.

Nem vou falar aqui do caso grotesco da moça evangélica curitibana, casada, que estava decidida a participar da última ‘Marcha das Vadias’ na capital paranaense. Falo de algo que muitas vezes se denomina “realização profissional da mulher”, “estabilidade pré-matrimônio”, “cuidado com a carreira”, entre outros apelidos. Não, não sou contra a mulher “trabalhar fora”. Não, não sou a favor de casar sem ter onde cair morto. A questão é que o extremo trágico em que se chegou jamais seria alcançado sem uma força ideológica como o feminismo atuando há algumas décadas. E aí vamos a alguns fatos e exemplos. Não são poucas as moças que conhecemos que passaram dos 30, estão beirando os 35, que namoraram alguns caras e… já estão desistindo de ter uma família.

Charlize Theron, abortista, pro-casamento gay

Casa, carro, bom emprego, salário acima da média e… frustração. Um caso emblemático é o da atriz Charlize Theron, que adotou meses atrás uma criança. Criança negra, ao melhor estilo da esquerda politicamente correta hollywoodiana. Sem marido, sua família é ela e o filho. Era isso que ela planejava aos 18 ou aos 20 anos de idade? Difícil acreditar. Mas certamente propostas de pretendentes não faltaram, estamos falando de Charlize Theron. E a verdade nua e crua é: recusar a um namoro (ainda mais visando o casamento) ou um noivado que se aproxima é dizer ao pretendente que ele não está a altura do que você se imagina merecedor, certo? Sempre. Podemos dourar a pílula o quanto quisermos. Charlize Theron e toda um geração de beldades encalhadas sempre se consideraram merecedoras de muito mais do que “aquilo que está aí”. No fim, transaram com vários, e os que agora “estão aí” são os que as outras, hoje casadas, não quiseram. E sejamos francos: nas igrejas a coisa pode variar em grau, mas não em substância. Há fenômeno semelhante e facilmente perceptível.

À luz da cosmovisão cristã, tem-se um parecer. Muito preparo e esforço para o sucesso profissional e para a conquista ou mera manutenção do status tem sido uma grande armadilha para as mulheres. Castidade jogada no lixo, interesses conflitantes com a própria constituição existencial e mesmo física, despreparo crasso para relacionamentos duradouros e para a vida familiar. Dependendo da mulher “alfa”, não ouse perguntar se ela sabe cozinhar. Ela até pode ser “alfa” para a revista Elle ou Cosmopolitan, mas homem nenhum quer dentro de casa uma mulher que vai contestar tudo o que ele diz, e que acha um absurdo o homem ser “o cabeça da família, como Cristo é o cabeça da Igreja”, como disse o apóstolo Paulo. Mostre a ela a “mulher virtuosa” do livro de Provérbios, que essa rainha da metrópole irá torcer o nariz. Ela pode até achar ridículo todo o falatório de feministas insanas como Kristeva, Irigaray, Dworkin, Friedan e outras, mas no fim das contas criou para si mesma uma imagem da mulher ideal tão disparatado como o apregoado por estas jezabéis do feminismo “clássico”.

Julia Kristeva

Luce Irigaray

Andrea Dworkin


Betty Friedan

Não me surpreende a fúria anticristã do feminismo e seus resultados culturais. E o mais interessante é que, mais uma vez, evidencia-se que o modelo tradicional de família, o judaico-cristão, é o que realiza de fato ao ser humano e gera os melhores resultados em escala individual e coletiva. Ainda que nem sempre seja essa coisa linda mostrada em propaganda de margarina, e a própria Bíblia dá boas lições quanto a isso e os cuidados que devem ser tomados. Mulheres não brincam de boneca à toa quando crianças. Mulher realizada não é mulher “bem sucedida”. Mulher realizada é a mulher casada, amada e mãe.

Também não há surpresa quando se traz à tona as raízes neopagãs do feminismo. Qualquer rápida pesquisa na internet sobre a vida e a obra da bruxa wicca Margot Adler e suas parceiras desnuda por completo o suposto “laicismo” das políticas defendidas pelas feministas. Adler referia-se ao monoteísmo como algo totalitário, e comentava que muitas mulheres que frequentavam seus rituais em grupo já tinham sido fortalecidas “pelo movimento feminista, ou por grupos de conscientização, ou por experiências importantes como divórcio, separação ou uma experiência homossexual”. (putz!)

Sulamith Firestone

Na terça-feira passada (28) morreu Shulamith Firestone, célebre feminista que aos 25 anos escreveu o livro ‘A Dialética do Sexo’. Firestone afirmou que a gravidez e a maternidade eram pura “opressão à mulher”, que a gravidez deveria ser feito só por métodos artificiais, e que um dos objetivos da revolução feminista era, mais que superar a hegemonia masculina, eliminar toda e qualquer distinção entre os dois sexos. Morreu enlouquecida, após longo tratamento psiquiátrico, devido à esquizofrenia.

Diante do estrago que o feminismo, que é mais um elemento nocivo que integra a “cultura da morte”, pacote macabro de políticas da esquerda pós-Gramsci e pós-Frankfurt, parece que o triste fim de Shulamith Firestone é a colheita daquilo que há muito tempo as feministas tem semeado na cultura ocidental.

ESCRITO POR EDSON CAMARGO 09 SETEMBRO 2012
Ilustração via rede, Halmenara

Fonte: Mídia sem Máscara

Antes o homem trazia, bem ou mal, o sustento da casa. A mulher ficava em casa cuidando da educação dos filhos, na sua nobre função de construir seres de bem. Não tinha dependência tecnológica, pois era capaz para as mais diversas funções exigidas desse ser humano de papel fundamental na construção de uma sociedade. Fosse na manufatura de vestuários ou consertos desses, na manipulação dos alimentos dos seus filhos, na economia quase mágica das crises e seus poucos recursos. Fosse à enfermagem doméstica, fosse na assistência social das senhoras católicas: voluntária, prazerosa, efetiva, constante o quanto precisasse. As famílias formavam homens e mulheres de bem. Formavam pessoas educadas, respeitosas, caridosas, responsáveis. A mãe era o esteio da sociedade muitas vezes defendida a peso de sangue. Ai de quem falasse mal da mãe de alguém...
Hoje a mulher disputa o mercado de trabalho com o homem e o valor do salário cai, pois há mais oferta de empregados no mercado.
Os dois trabalhando fora, paga-se escola integral para cuidar dos filhos.
Não tendo tempo de cuidar da casa, paga-se empregada.
Emprego exige roupa diferente a cada dia (aqui inclui-se sapatos, joias ou boas bijus, bolsas, perfumes) e gasta-se mais com isso.
Um carro só não dá, então se compra outro e paga-se o seguro o IPVA.
Ah, esqueci da academia, nem sempre para ficar nos “trinques” para o marido (isso é submissão) mas na eventual possibilidade de divórcio, estar com tudo encima para o próximo amorzão da minha vida.
Antes ofender a mãe, podia até dar em morte. Hoje é quase um elogio: é mostra de liberdade e independência que se conquistou. Ser vadia é motivo de orgulho


avatar
Admin
Admin

Mensagens : 288
Reputação : 0
Data de inscrição : 02/02/2013
Idade : 59
Localização : S.Paulo - BR

Ver perfil do usuário http://hereditarios.livreforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum